quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

AULA DE PORTUGUÊS

Carlos Drummond de Andrade

1) A linguagem
2) na ponta da língua,
3) tão fácil de falar
4) e de entender.

5) A linguagem
6) na superfície estrelada de letras,
7) sabe lá o que ela quer dizer?

8) Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,
9) e vai desmatando
10) o amazonas de minha ignorância.
11) Figuras de gramática, esquipáticas,
12) atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me.

13) Já esqueci a língua em que comia,
14) em que pedia para ir lá fora,
15) em que levava e dava pontapé,
16) a língua, breve língua entrecortada
17) do namoro com a prima.

18) O português são dois; o outro, mistério.


Esse interessantíssimo poema de Drummond aborda o tema da diferença entre a língua falada com tranquilidade pelos alunos e a língua escrita e normatizada ensinada nas escolas. O poeta dá testemunho de sua perturbação diante do "mistério" da língua escrita. Note como fica sugerido o confronto entre o universo solto da vida comum e o mundo do saber representado pela escola.

Verso 6 - Quando ele diz "na superfície estrelada das letras" está sugerindo o mistério das letras, ao mesmo tempo que a valoriza.

Verso 8 - Carlos Góis é autor de uma gramática da língua portuguesa.

Verso 10 - A expressão "amazonas de minha ignorância" é utilizada para exprimir a dimensão exagerada de seu desconhecimento.

Verso 11 - "Esquipáticas" - Esquisitas + antipáticas.

Verso 12 - Observe a sequência formada pelos verbos "atropelar", "aturdir" e sequestrar, que expressam o pânico que o aluno sente diante de tantos mistérios da língua escrita.

Versos 13-17 - As ações enumeradas pelo poeta revelam a facilidade de utilizar a língua como meio de comunicação do dia a dia.

Verso 18 - O verso final comprova a dúvida confessada nos versos 5, 6 e 7.


Ita est!

Prof. Zanon

16 comentários:

  1. Este belo poema de Drummond expressa muito bem o que os alunos sentem e a dúvida que os devora quando partem para o estudo da grámatica. Algo tão agradável e belo que é a fala acaba por tornar-se um vilão na vida dos alunos e tudo isso graças à nossa "majestosa" rainha chamada gramática!

    ResponderExcluir
  2. Muito Obrigado pelo seu conheçimento ..
    serviu muito . obg

    ResponderExcluir
  3. O autor escolheu o adjetivo esquipáticas, que significa "esquisitas", para caracterizar as figuras de palavras. Por que ele teria preferido esquipáticas a esquisitas?

    ResponderExcluir
  4. estava precisando tirar umas dúvidas sobre esse poema...foi maravilhoso toas as explicações...

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pelo seu conhecimento, me ajudou bastante com a minha tarefa sobre o poema. :D

    ResponderExcluir
  6. obrigado pelo seu conhecimento, me ajudou muito na minha tarefa sobre o poema. :D

    ResponderExcluir
  7. obg foi de grande utilidade pra mim

    ResponderExcluir
  8. Muito obrigado,
    apesar de eu só ter conferido
    com as minhas respostas, foi de
    grande utilidade para mim, pois tive
    a certeza de que o meu pensamento
    estava correto.

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigado. Sua interpretação do texto me ajudou muito.

    ResponderExcluir
  10. NOSSA PASSEI DIAS TENTANDO FAZER UM TRABALHO DA ESCOLA COM ESSE TEXTO,GRAÇAS A ESSAS EXPLICACOES ESTOU SALVA............VALEUUU

    ResponderExcluir
  11. muito legual esse poema

    ResponderExcluir
  12. nossa maravilhosa sua explicação !!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Você poderia citar a fonte bibliográfica desse poema? De qual livro ele foi extraído? Ano de publicação? Página? Editora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O poema de Drummond foi garimpado na internet.

      Excluir
  14. (Carlos Drummond de Andrade. Poesia Completa - Rio de Janeiro. Nova Aguilar, 2002, p. 1089)

    ResponderExcluir
  15. Muito boa a explicação! Obrigada.

    ResponderExcluir

Matérias mais antigas:

Minha foto
Sou um professor apaixonado pela educação, pela literatura, pela língua portuguesa e pela arte de escrever. Como tantos educadores, um idealista. Fascina-me a incomensurável capacidade de transformação do ser humano. Por que me ufano da minha profissão? Porque sei que quando leciono, não estou apenas passando conteúdos, mas também destruindo mitos, dogmas e raciocínios falaciosos que cerceiam a liberdade humana.