quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Lugares-comuns

O lugar-comum, também chamado de chavão ou clichê, é a "ideia, frase, dito, sem originalidade; banalidade". (Houaiss) São construções ou combinações de palavras que se tornam desgastadas pela repetição excessiva e perdem a força original.

Devem ser evitadas a todo o custo nas redações, pois transmitem ao leitor uma ideia de texto superado, desgastado e sem imaginação.

Veja os tipos mais usuais de lugares-comuns:

1) As frases e locuções. Entre os chavões mais frequentes estão as locuções e combinações invariáveis de palavras (sempre as mesmas, na mesma ordem) que também comprometem o texto. Neste caso se enquadram ainda as frases feitas que, embora originárias da linguagem popular, acabam se repetindo à exaustão, produzindo o mesmo efeito de lugar-comum.

Eis os principais exemplos: fechar com chave de ouro, acertar os ponteiros, agradar a gregos e troianos, alto e bom som, ao apagar das luzes, a sete chaves, a toque de caixa, chegar a um denominador comum, chover no molhado, coroado de êxito, dar com os burros n'água, de mão beijada, depois de um longo e tenebroso inverno, de vento em popa, dispensa apresentações, divisor de águas, em ponto de bala, em sã consciência, faca de dois gumes, fazer das tripas coração, jogar a pá de cal, página virada, parece que foi ontem etc.

2) As duplas. Existem substantivos e adjetivos que andam sempre aos pares, formando lugares-comuns facilmente evitáveis.

Veja alguns deles: agradável surpresa, calor escaldante, calorosa recepção, carreira meteórica, cartada decisiva, corpo escultural, crítica construtiva, ente querido, inflação galopante, lance duvidoso, mera coincidência, obra faraônica, perda irreparável, semblante carregado, singela homenagem etc.

3) As imagens. As pessoas, cidades ou coisas têm nomes. Criar imagens, apelidos ou definições que os substituam só contribuem para a disseminação de mais lugares-comuns. Evite usá-los.

Prefira a palavra correspondente que está entre parênteses: Galinho de Quntino (Zico), cidade maravilhosa (Rio de Janeiro), enlace matrimonial (casamento), tapete verde (gramado), profissional do volante (motorista) etc.

4) As ideias. Não são apenas as palavras, frases, construções ou duplas que se reproduzem ao infinito nos textos, mas também as ideias ou formas de se abrir um texto ou entrar num assunto. A seguir, algumas dessas fórmulas prontas que aparecem com frequência em textos publicados:

- a oposição "sonho versus pesadelo". Exemplos: "O sonho da casa própria virou pesadelo"; "Sonho do carro novo virou pesadelo nos consórcios".

- "não poderia imaginar..." Exemplos: "Quando fez faculdade, Maria não poderia imaginar que..."; "Quando recorreu da sentença, ele não poderia imaginar que..." etc.

- "também é cultura". Exemplos: "Esporte também é cultura"; "Quadrinho também é cultura"; "Assistir TV também é cultura" etc.

Então, para que seu texto se torne mais original, fuja desses lugares-comuns como o diabo foge da cruz.
Ops!
Errar é humano.
Ops de novo!

Ita est!
Prof. Zanon

Um comentário:

Matérias mais antigas:

Minha foto
Sou um professor apaixonado pela educação, pela literatura, pela língua portuguesa e pela arte de escrever. Como tantos educadores, um idealista. Fascina-me a incomensurável capacidade de transformação do ser humano. Por que me ufano da minha profissão? Porque sei que quando leciono, não estou apenas passando conteúdos, mas também destruindo mitos, dogmas e raciocínios falaciosos que cerceiam a liberdade humana.